Traumatologia e Ortopedia
Discussão de casos, questões e dúvidas em tratamentos, com dicas de prova para o TEOT.

 

 
Search

 Osteocondrite dissecante do joelho 
Osteocondrite dissecante do joelho
Osteocondrite ...

Osteocondrite dissecante. (Campbell pg 2305/Lovell Winter )

Epidemiologia
- homens 2:1
- bimodal: jovens com fise aberta (5-15 anos) / adolescentes mais velhos e adultos jovens
- 30% bilateral
- causa mais comum de corpos livres no joelho
- acomete côndilo femoral medial (85%), lateral (15%)
*lesões côndilo lateral têm pior prognóstico (tendem a ser maiores, mais posteriores e mais frágeis)

Etiologia
- primeiro ocorre a necrose do osso subcondral, depois desprende o fragmento osteocondral
- controversa.
- teorias mais aceitas:
- Trauma exógeno(trauma direto no joelho em flexão de 135o )
- Trauma endógeno (espinha tibial contra o condilo femoral, lux patelar, lesoes meniscais,sindr de instabilidade)
- Isquemia (trombose das artérias terminais),
- Ossificação anormal dentro das placas de crescimento,
- Predisposição constitucional ou genética, e combinação das anteriores.

Quadro clínico
- 40% apresenta história previa de trauma no joelho.
- desconforto no joelho com meses de duração (DOR INSIDIOSA)
- se separação do fragmento pode ocorrer bloqueio.
- edema leve, raramente efusão significativa.
- paciente pode ser capaz de apalpar um corpo livre na articulação.

Exame físico:
- achados podem ser mínimos.
- palpação direta sobre o côndilo com joelho flexionado pode causar dor.
- Larson informou que a rotação medial da tíbia e lenta extensão do joelho pode causar dor por volta de 30 graus. Flexiona-se o joelho a 90 graus, roda-se tíbia medialmente e então gradativamente estende o joelho. Quando próximo a 30 graus de flexão o pcte com lesão no côndilo medial irá experimentar dor que é aliviada pela rotação externa da tíbia (teste de Wilson +)
Exames radiográficos
- Rx AP, P, Túnel (joelho fletido e 60-70º inclinação cefálica) bilaterais.
- Radiografia do túnel pode ser a mais reveladora.
- Cintilografia c/ tecnécio 99 classifica atividade de cura e prevê resultado do tratamento, se scan negativo-anomalias osseas, se positivo – lesão não curada;
- SPECT.
- RNM – avaliar fixação e viabilidade do fragmento, presença de sinal liquido entre o fragmento e a cratera, c/ gadolínio acurácia chega a 93% em gradiente-eco e a 100% em spin-eco.

Diagnóstico diferencial
- Lesões meniscais
- Centros de ossificação anômalos.

Fatores Prognósticos.
- idade: tto mais conservador em pctes imaturos.
- tamanho da lesão
- localização: melhor se no côndilo medial, clássica.
- cronicidade do processo.

Classificação
- Aicroth
- Côndilo Medial (85%) – Clássica(69%), Clássica estendida(6%), Ínfero-central(10%)
- Côndilo Lateral – Ínfero-central (13%), Anterior(2%).

Tratamento
- não cirúrgico:
- Criança SEM fragmento destacado geralmente c/ retirada da carga (1 a 6 meses) + exercícios para ADM. Pode também fazer imobilização.
- cirúrgico: deslocamento, piora dos sintomas, persistência da atividade cintilográfica aumentada ou proximidade do fechamento da fise. Pctes >12 a c/ lesões >1cm na zona de carga
-Adulto sintomático:
- S/ separação - Perfurações
- Separação recente, s/ deslocamento - perfuração da cratera + Fixação
- Separação tardia, quase deslocado - Curetagem das margens + Fixação
- Corpo livre c/ lesão fora da zona de carga - Retira-se corpo livre + Curetagem + Perfurações.
Se corpo livre na zona de carga:
- Defeito pq + c/ osso + redutível - cureta+pref+enxerto+fix
- Defeito pq + s/ osso + irredutível - ressecção do fag+cureta+perf
- Defeito gd + c/ osso + red - cureta+perf+enxerto+fix
- Defeito gd + s/ osso + irred - cureta+perf+fix

Pós operatório:
- se corpo livre retirado e cratera perfurada e curetada = muleta 2-3 sem + exercícios ADM.
- se remoção do corpo livre e cratera é grande (>2,5cm) e sobre área de carga = sem carga 6 sem + 6 sem carga parcial com muletas + exercícios ADM.
- se fixado fragmento ou enxerto = exercícios ADM, se fixação não ideal = gesso cilíndrico 4-6 sem na posição que não envolva carga no fragmento. Paciente mantido sem carga até evidencias radiográficas de cura.

Complicações
- não cirúrgicas: rigidez e atrofia da musculatura por imob.
- cirúrgicas = quebra de material para osteossíntese, retrocesso do pino ou protusão, afrouxamento do fragmento.

Para baixar os arquivos de aulas e vídeos e ver as imagens explicativas, acesse os adicionais, clicando aqui.
Author: marcio
Date: 24/2/2020, 10:24
Tipo do Texto: Infanto-juvenil
Category: Joelho
Veja os adicionais: 1 - Escreva um comentário
Views: 5696

Jump to:   


 

A página foi atualizada para www.TraumatologiaeOrtopedia.com.br => plataforma mais moderna, com mais interação. Todos os artigos e arquivos foram renovados. Os usuários agora podem:
- Atualizar os artigos;
- Promover seus consultórios;
- Criar grupos privados para sua residência ou liga de medicina;
- Treinar com questões e avaliar sua performance;
- E muito mais, confira, participe e contribua.
Espero que continuem curtindo, do autor: Ortopedista Especialista em Joelho Dr. Márcio Silveira

 

Mapa do Site    FAQ    Crie um site como este

Copyright © 2012 - 2020 TraumatologiaeOrtopedia.com | Desenvolvido em phpBB

Search: