Traumatologia e Ortopedia
Discussão de casos, questões e dúvidas em tratamentos, com dicas de prova para o TEOT.

 

 
Search

 Fratura de Monteggia 
Fratura de Monteggia
da diáfise da ulna com instabilidade da cabeça radial ...

• Raras <5% das fraturas do antebraço
• Diagnóstico – Inchaço ao redor do cotovelo,deformidade,dor edema e quimose.
Lesões neurológicas(n.radial) em tipos II e III de bado e lesão do n.interósseo anterior e ulnar
• RX – Lateral do cotovelo (verdadeira)
Úmero e antebraço apoiados na chapa com flexão de 90º


Classificação do BADO

I – Fratura em qualquer ponto da diáfise com angulação antrior da fratura e luxação anterior de cabeça radial
Mecanismo – Evans – pronação forçada do antebraço.

Equivalente – fratura da diáfise ulnar e fratura da cabeça ou colo radial

Redução: Aplica-se tração com antebraço em supinação e extensão,reduz-se a angulação da ulna ,manobra que em geral reduz a cabeça do rádio.Quando se consegue a redução, o cotovelo é imobilizado em supinação e flexão de aprox 100º ,ou quanto o edema do cotovelo permitir.

II – Fratura diáfise ulnar com angulação posterior na fratura e luxação póstero-lateral da cabeça radial.
Mecanismo – Penrose – cotovelo flexionado e força causando lux posterior.

Equivalente – luxação posterior do cotovelo com fratura angulada posteriormente da diáfise ulnar e fratura da cabeça ou colo radial.

Redução:Tração em extensão e supinação,corrigindo a angulação da ulna e pressionando a cabeça do rádio e manutenção com 70° de flexão.

III – Fratura da metáfise ulnar com lux lateral ou antero-lateral da cabeça radial

Mecanismo – Mullick
- Antebraço supinado e cabeça radial deslocada póstero-lateral
- Antebarço ´pronado – cabeça do rádio desloca antero-lateral

Redução: Tração em extensão e abdução supinando o antebraço enquanto se faz pressão sobre a ulna e sobre a cabeça do rádio.EAnquanto a angulação lateral é corrigida, a supinação do antebraço tende a reduzir a cabeça do rádio pela tensão do lig interósseo entre rádio e ulna.A imobilização é feita em flexão de 110° por 4 a 6 semanas.

IV – Fratura do 1/3 prox rádio e ulna,no mesmo nível com luxação anterior da cabeça radial
Mecanismo – Bado – lesão tipo I + fratura diafisária do rádio.

Redução:Tentando o linhamento da ulna,fazendo forte supinação,tenteando reduzir a ulna e cabeça do rádio.Redução difícil.

Júpiter – ampliou a classificação de BADO com subdivisão do tipo II
IIa – fratura da ulna envolvendo o olecrano distal e processo coronóide
IIb – fratura da ulna na junção entre metáfise e diáfise distal ao processo coronóide
IIc – fratura da diáfise da ulna
IId – fratura da ulna estendendo-se ao longo 1/3 prox da metada da ulna

Freqüência das lesões – I >III > II > IV

Abordagem das fraturas de Monteggia:

• Incisão cutânea abordando diretamente a ulna
• Evitar lesão ulnar
• Abordar apenas o periósteo que recebeu a placa
• Placa sobre a musculatura extensora ou flexora – sob a musculatura extensora é preferível devido a facilidade de prolongar proximalmente e expor a cabeça radial e evitar mobilizar o n.ulnar

Via de acesso direto para a ulna


TTo – sempre cirúrgico – conservador pode ser feito em crianças

RAFI com placa DCP 3.5mm dorsal + redução fechada da luxação da cabeça radial (tração e pressão na cabeça radial)

Resultados satisfatórios:
 Diagnóstico precoce
 Fixação rígida da ulna
 Redução exata da cabeça radial
 Mobilidade – reabilitação

*placa medial ou lateral pode ser usada – não ideal

A retirada da placa – Tem se mostrado na literatura que a remoção da placa é mais danosa que a sua manutenção.Uma complicação bastante frequente é a fratura após a retirada(4-20%).As causas principais da refratura são asplacas volumosas(4.5mm DCP) e remoção prematura.A densidade óssea não retorna ao seu normal antes de 21 meses.Outras complicações citadas são as infecções e lesões nervosas.Sua incidência varia de 10-20% e aumentam quando o procedimento não é feito por um ortopedista experiente.A remoção das placas é indicada em dor ou placa superficial na pele.Em um estudo, 67% paciente mantiveram algum tipo de dor após retirar a placa e 9% acreditam que a dor piorou.


As complicações mais freqüentes da ft-lux Monteggia é a paralisia do ramo radial profundo


Neuropraxia radial – aguarda 6-12 sem,Se >12sem - exploração nervo

Fraturas expostas – debridamento,limpeza

• Cabeça radial redutível e estável – placa
• Cabeça radial instável – artrotomia + placa (01 ou 02 placas DCP 3.5mm+banda de tensão)
• Cabeça radial irredutível – abordagem separada da cabeça do rádio – cápsula anterior e lig anular

Fraturas da cabeça radial – RAFI com reconstrução ou excisão da cabeça radial.

Prótese de silicone – retirar 12-24m após
Prótese de aço – permanetnte



Critérios de Anderson :

Excelente - consolidação ou perda da flexo-extensão <10º
Satisfatório – consolidação com perda flexo-extensão < 20º
Perda da rotação antebraço >50%
Fracasso – consolidação viciosa,pseudartrose ou osteomielite crônica não resolvida

Cuidados pós op
1º curativo após 5-7 dias e substituir por tala ou prótese
Mobilidade precoce 7-10 dias
Rx semanal



Arquivos de resumos, aulas, vídeos e mais informações nos comentários.

Para baixar os arquivos de aulas e vídeos e ver as imagens explicativas, acesse os adicionais, clicando aqui.
Author: Dublê
Date: 24/2/2020, 10:45
Tipo do Texto: Trauma
Category: Pediátrica
Veja os adicionais: 2 - Escreva um comentário
Views: 13863

Jump to:   


 

A página foi atualizada para www.TraumatologiaeOrtopedia.com.br => plataforma mais moderna, com mais interação. Todos os artigos e arquivos foram renovados. Os usuários agora podem:
- Atualizar os artigos;
- Promover seus consultórios;
- Criar grupos privados para sua residência ou liga de medicina;
- Treinar com questões e avaliar sua performance;
- E muito mais, confira, participe e contribua.
Espero que continuem curtindo, do autor: Ortopedista Especialista em Joelho Dr. Márcio Silveira

 

Mapa do Site    FAQ    Crie um site como este

Copyright © 2012 - 2020 TraumatologiaeOrtopedia.com | Desenvolvido em phpBB

Search: