Traumatologia e Ortopedia
Discussão de casos, questões e dúvidas em tratamentos, com dicas de prova para o TEOT.

 

 
Search

 Bursite trocantérica 
Bursite trocantérica
. ...

Na prática clínica diária, as dores na região trocantérica são queixas comuns, podendo ser causadas por problemas clínicos locais, como a bursite trocantérica, tendinite dos glúteos ou por doenças da articulação coxo-femoral e na região lombossacra.

A bursite trocantérica é uma das doenças mais frequentes no nível do quadril, apresentando grande variedade de sinais e sintomas.

A causa mais frequentemente associada é o microtrauma repetitivo, causado pelo uso ativo dos músculos que se inserem no grande trôcanter. Embora o trauma seja uma das causas sabidas, somente 23% a 64% dos pacientes recordam um evento traumático específico.

As doenças musculoesqueléticas comuns associadas com a bursite trocantérica, incluem a artrite degenerativa do quadril, doenças na coluna, discrepância nos membros inferiores, artrite reumatoide, infecção, gota, obesidade, fibromialgia, artrose da articulações inferiores, síndrome da banda iliotibial, pós-operatório de artroplastia, entre outras.

Há relatos que uma das principais causas desta patologia, principalmente as refratárias ao tratamento, são oriundas de lesões do glúteo médio e do glúteo mínimo.


Epidemiologia e quadro clínico

As mulheres, em uma relação de 4:1 comparada com os homens, são mais frequentemente afetadas, com sua prevalência aumentada entre as quartas e sextas décadas de vida. A incidência na população geral é em torno de 10% a 25%, afetando em torno de 1,8/1000 pacientes por ano.

A dor é de característica crônica e intermitente sobre o aspecto lateral do quadril. Ocasionalmente, o início da dor é agudo ou subagudo, podendo ser intenso. Em geral, piora à noite e o paciente tem dificuldade para dormir.

A localização da dor é atrás e posteriormente ao trocânter maior, podendo se estender no aspecto lateral da coxa em 25% a 40% dos casos, e até a perna e tornozelo, mas não até o pé. Pode ser localizada também na região lombar baixa e, em alguns casos, ser acompanhada de parestesia na face lateral da coxa, mas sem localização de dermátomo específico.

A dor localizada na palpação em cima do grande trôcanter pode ser encontrada em todos os pacientes sintomáticos. Mais da metade dos pacientes tem dor ao teste de Patricl-Febere do quadril. OO edema óbvio, como notável no olécrfano e na bursite pré-patelar, é incomum.

O exame físico pode também revelar a evidência de condições associadas tais como as doenças da coluna, artrite do quadril, a discrepância do comprimento dos membros infeiores, que devem ser sempre avaliados.


Exames de imagem

Nenhum exame radiográfico específico é diagnóstico da bursite trocantérica. As radiografias do quadril, da pelve e da coluna lombar podem mostrar a evidência de uma ou mais da circunstâncias musculoesqueléticos geralmente associadas.

O exame de ultrassom pode evidenciar processo inflamatório localizado junto à bursa e também no glúteo médio. A cintilografia óssea pode mostrar uma hipercaptação na região do trocânter maior, que é geralmente linear.

A imagem de ressonância magnética (RNM) pode mostrar um hipersinal em sequência curtas na região do grande trocânter. Pode oferecer ainda a informação valiosa a respeito de outras patologias no nível do quadril como lesões na cartilagem, fraturas de estresse, necrose avascular, artrose, lesões musculares e a osteodistrofia.

Esses exames de imagem não são necessários, pois não são diagnósticos, porque podem aparecer alterações sugestivas, mas podem não ter os sintomas clínicos. O diagnóstico é pela história e o exame físico.


Tratamento

A maioria dos tratamento é conservador, incluindo 6 a 8 semanas de medicamentos anti-inflamatórios não esteroidais, em um primeiro momento gelo e após o uso do contraste térmico (gelo e calor), repouso e fisioterapia.

Nos casos em que não ocorra uma melhora significativa da dor do paciente, está indicada a realização de infiltração local com corticoide associado à substância anestésica. Outra alternatica para o tratamento das bursites refratárias é a utilização de terapia de ondas de choque.

Embora a grande maioria dos paceintes responda favorável às medidas conservadoras e à infiltração, e depois de afastada todas as outras fontes possíveis de dor nos casos redratários a estes tratamentos, está indicada a cirurgia.


Mais informações nos comentários.

Para baixar os arquivos de aulas e vídeos e ver as imagens explicativas, acesse os adicionais, clicando aqui.
Author: silva
Date: 24/2/2020, 10:17
Tipo do Texto: Adulto
Category: Quadril
Veja os adicionais: 2 - Escreva um comentário
Views: 4077

Jump to:   


 

A página foi atualizada para www.TraumatologiaeOrtopedia.com.br => plataforma mais moderna, com mais interação. Todos os artigos e arquivos foram renovados. Os usuários agora podem:
- Atualizar os artigos;
- Promover seus consultórios;
- Criar grupos privados para sua residência ou liga de medicina;
- Treinar com questões e avaliar sua performance;
- E muito mais, confira, participe e contribua.
Espero que continuem curtindo, do autor: Ortopedista Especialista em Joelho Dr. Márcio Silveira

 

Mapa do Site    FAQ    Crie um site como este

Copyright © 2012 - 2020 TraumatologiaeOrtopedia.com | Desenvolvido em phpBB

Search: