Traumatologia e Ortopedia

[KB] Fratura do escafóide

Author:  marcio [ 3/1/2012, 15:30 ]
Post subject:  [KB] Fratura do escafóide

Category: Mão e microcirurgia (9)
Article Type: Trauma

Article Name: Fratura do escafóide
Author: márcio
Description: ...

Read Full Article

Author:  marcio [ 3/1/2012, 15:37 ]
Post subject:  Re: [KB] Fratura do escafóide

Fx de escafóide demanda longo acompanhamento.





1ª Imagem: RX AP do punho. Descrever/ Diagnóstico/ Classificação/ Outros exames?/ Vascularização do escafóide/ Opções de tratamento
Escafóide é um elo estabilizador entre as fileiras proximal e distal dos ossos do carpo. Qdo está estabilizado em 95-100% de extensão e é aplicada carga de dorsiflexão, o pólo proximal é fixado pelo rádio e o distal é livre para translacionar, o que resulta em fratura.
O exame radiológico ainda é o melhor método p determinar presença de fratura: AP, AP com desvio ulnar, Perfil. Se RX negativo e houver clínica de fratura, deve ser colocado gesso longo incluindo polegar e novo exame RX em 2 a 3 semanas. Se mesmo assim RX estiver negativo está indicado TC.
Classificação anatômica: 1/3 Distal (10%) Classificação de Russe: I ) horizontal
1/3 médio (70%) (traço da fratura) II ) transversa
1/3proximal(20%) III ) Obliqua
As fraturas do pólo proximal:taxa mais lenta de consolidação devido à interrupção do suprimento sanguíneo que é proveniente de ramo Art. Radial e entra distal e dorsal no osso ( responsável por 100% do suprimento do pólo proximal).
Cooney e Weber consideravam como desvio o desnível de 1mm ou angulação semilunar-capitato de 15° no AP ou 45° de angulação escafossemilunar no Perfil.
Pior prognóstico:desvio ou angulação, diagnóstico tardio, fratura proximal, traço oblíquo.
Tratamento conservador (fraturas sem desvio):utilizar gesso com punho em neutro e incluir o polegar. Na prono supinação o ligamento radioescafossemilunar movimenta o foco de fratura então gesso deve ser acima do cotovelo. Após 6 semanas se fratura não estiver consolidada no RX, independente da dor, coloca-se um gesso abaixo do cotovelo durante mais 3-6 semanas (controle RX indicara tempo exato).
Tratamento cirúrgico tem como indicação: 1 falha do tratamento conservador, 2 fratura desviada ou instável, 3 falta de união estabelecida.
Herbert e Fisher: há falha do tratamento conservador em 50% dos casos.
Langhoff: união retardada: 4 a 6 meses; falta de união: mais de 4 a 6 meses.
Jupiter: falta de união resulta em desalinhamento do punho e artrite se for deixada sem tratamento por mais de 5 a 10 anos.
Fratura aguda sem desvio: Gesso
Fratura aguda desviada: RAFI com Fio de K ou Herbert
Falta de união ou união retardada: Enxerto mais fixação
Para falha do enxerto: Nova cirurgia de enxerto ou Artrodese

2ª Imagem: RX punho AP/ perfil - fixação com parafuso de Herbert + enxerto ósseo do rádio. Indicações/ Comentar tratamento/ Complicações
Técnica de fixação com enxerto ósseo: utilizada para falta de união ou união retardada.
A técnica de Matti-Russe: enxerto esponjoso (mais recentemente corticoesponjoso) e via de acesso volar (fugir da vascularização). Indicada qdo não há DISI. Incisão em zigue zague ao longo do Flex Rad Carpo até tuberosidade do escafóide. Cuidado com ramo cutâneo palmar do N Mediano. Afastar art. radial lateralmente. Incisar cápsula. Curetar osso e colocar enxerto Se houver instabilidade fixar com 2 fios de K paralelos desde o pólo distal até o proximal por 6 semanas. Manter gesso longo 6 semanas e após isso gesso curto por mais 6 ou até consolidação radiológica.
Mathoulin utiliza enxerto ósseo vascularizado com ramo da art. radial
Parafuso de Herbert:haste lisa com roscas em ambas as extremidades, com passo diferente da hélice da rosca. À medida que o parafuso é avançado compressão é obtida no local da fratura ao colocar passo maior na extremidade dianteira. Não há cabeça no parafuso, assim não há necessidade de remoção. Fornece Fixação interna estável.
***Trabalho da RBO: resultados iguais entre Mathoulin e Matti Russe; menor morbidade no Mathoulin (não incomoda crista ilíaca).




 !  Para baixar todos os arquivos e apresentações e visualizar todas as imagens, registre-se e entre, é rápido e grátis.


< Deixe uma observação pertinente clicando no botão resposta ou clique no botão agradecer caso o tópico tenha sido útil. >




SLAC: scapholunate advanced collapse
- SLAC: scapholunate advanced collapse - Relacionado à instabilidade do escafóide
- Achatamento da articulação escafosemilunar
- Preservação da rádio semilunar - Alargamento do espaço escafosemilunar
- Estreitamento da articulação capitato semilunar
- Tratamento
- Artrodese intercarpal limitada do capitato hamato e piramidal semilunar com substituição do escafóide por Silastic, tendão ou fáscia
- Outras opções:
- Carpéctomia proximal: necessita da articulação semilunar capitato sem alterações
- Artrodese de 4 cantos: capitato-hamato-piramidal-semilunar com excisão do escafóide
- Panartrodese

Author:  rogerio [ 31/8/2015, 21:30 ]
Post subject:  Re: [KB] Fratura do escafóide

Pseudoartrose de escafóide

- Causas: diagnóstico tardio, desvio grave, lesões do carpo associada, déficit vascular
- Mais comum no polo proximal
- Pode ser tolerada em doentes com baixa demanda funcional

- SNAC (scaphoid nonunion advanced collapse)
- Estreitamento radioescafóide, seminulocapitato, formação cística e DISI
- Radiosemilunar geralmente é poupada

- Tratamentos cirúrgicos úteis

- Estiloidéctomia radial: retirada de toda a fossa do escafóide
- Geralmente usada em associação a outro procedimento
- Ligamentos radiocarpais palmares devem ser preservados para evitar translocação ulnar do carpo

- Excisão do fragmento proximal: fragmento < ¼ do escafoide

- Excisão de todo o escafóide

- Carpéctomia proximal: precisa ter fossa do semilunar e da porção proximal do capitato saudável

- Técnica de Matti-Russe: enxerto de crista ilíaca
- Indicação: ausência de deformidade angular ou encurtamento
- Incisão longitudinal 3-4 cm radial ao flexor radial do carpo
- Abertura da cápsula e dos ligamentos volares
- Cruentação do osso a ser reparado
- Confecção de cavidade para o enxerto
- Colocação de enxerto de crista ilíaca
- Enxerto pode ou não ser fixado com FK

- Deformidade em Humpback
- Defomidade com convexidade dorsal e radial
- Defomidade inclui extensão do polo proximal do escafóide  extensão do semilunar e uma forma de DISI
- Deve ser corrigida se ângulo escafo-semilunar > 60º ou ângulo intraescafóide > 45º
- Técnica de Fernandez
- Via de acesso como na técnica de Russe
- Cortes ósseos conforme planejamento pré-operatório
- Se sinais de osteonecrose  perfurações de 1 mm
- Correção da deformidade no local da osteotomia palmar-radial
- Correção da posição dorsal do semilunar
- Moldagem do enxerto de ilíaco
- Fixação com fios de Kirschner 1.2 mm

- Enxerto ósseo vascularizado:
- Geralmente faz uso de um segmento do rádio com o pronador quadrado

- Artrodese parcial ou total do punho


 

A página foi atualizada para www.TraumatologiaeOrtopedia.com.br => plataforma mais moderna, com mais interação. Todos os artigos e arquivos foram renovados. Os usuários agora podem:
- Atualizar os artigos;
- Promover seus consultórios;
- Criar grupos privados para sua residência ou liga de medicina;
- Treinar com questões e avaliar sua performance;
- E muito mais, confira, participe e contribua.
Espero que continuem curtindo, do autor: Ortopedista Especialista em Joelho Dr. Márcio Silveira

 

Mapa do Site    FAQ    Crie um site como este

Copyright © 2012 - 2020 TraumatologiaeOrtopedia.com | Desenvolvido em phpBB

: