Traumatologia e Ortopedia

[KB] Conceitos gerais das fraturas

Author:  marcio [ 1/5/2014, 21:39 ]
Post subject:  [KB] Conceitos gerais das fraturas

Category: Área básica (1)
Article Type: Conceito básico

Article Name: Conceitos gerais das fraturas
Author: márcio
Description: Princípios de osteossíntese

Read Full Article

Author:  marcio [ 1/5/2014, 21:54 ]
Post subject:  Re: [KB] Conceitos gerais das fraturas

 !  Para baixar todos os arquivos e apresentações e visualizar todas as imagens, registre-se e entre, é rápido e grátis.


< Deixe uma observação pertinente clicando no botão resposta ou clique no botão agradecer caso o tópico tenha sido útil. >




Princípios de fixação das fraturas
1. redução da fratura para restabelecer relação anatômica
2. estabilidade por fixação ou suporte de acordo com a personalidade da lesão
3. preservação do suprimento sangüíneo para tecidos moles e osso
4. mobilização precoce
- Fixação externa
- Forma mais segura de fixação nos doentes politraumatizados com ISS > 40
- Maior rigidez
- Distância X baixa
- Distância Z baixa
- Distância Y alta
- Maior número de barras
- Biplanar
- Zonas de segurança
- Tíbia
- Proximal: 220º
- 1/3 médio: 140º
- Distal: 120º
- Conversão

- Haste intramedular: melhor se não fresada e em até 2 semanas com pinos limpos
- Se > 2 semanas: remover fixador, curetar trajetos e manter membro na goteira até melhora das condições de pele
- Outra forma: trocar fixador externo por um pinless
- Placa: pode-se manter o fixador por 1 ou 2 semanas a mais
- Estabilidade relativa: consolidação com calo hipertrófico
- permite alguma mobilidade no foco de fratura
- todos os métodos de fixação, menos os com compressão
- melhor indicação: fraturas multifragmentárias de ossos longos
- Haste intramedular
- Haste sólida: menor risco de infecção do que as tubulares
- Fresamento: pode levar a complicações pulmonares nos politraumatismos
- Nunca fresar com garrote
- Circulação óssea  radiador
- Estabilidade absoluta
- Parafuso de tração
- Não devem ficar muito apertados pois podem falhar permanentemente com pouco estresse
- Geralmente são associados a placas de neutralização para proteger os parafusos
- Placa de compressão
- Banda de tensão: converte forças de tensão em compressão
- Deve ser feita no lado de tensão
- Permite movimento imeditato
- Locais em que pode ser utilizada:
- diáfise de fêmur, trocanter maior, tuberosidade maior, maléolo medial, olécrano, patela, deformidades angulares diafisárias
- Estática: aquela que dá compressão desde o momento de aplicação (maléolo medial)
- Dinâmica: aquela em que a compressão aumenta com movimento (patela)
- Pré-requisitos
- Padrão de fratura que permite suportar compressão
- Cortical oposta intacta
- Fixação sólida para resistir forças de tensão
- Implantes
- Deformidade elástica: capacidade em deformar e retornar à situação original
- Deformidade plástica: resulta em deformação irreversível
- Força: resistência à deformação sem falhar
- Rigidez: grau de deformidade pela carga
- Ductilidade: tolerância à deformidade plástica (determina o quanto a placa pode ser moldada)
- Função das placas
- Neutralização: usada para evitar estresse sobre parafusos de compressão
- Compressão
- Banda de tensão: colocada no lado de tensão do osso
- Ponte: manutenção do alinhamento
- Usada como tutor interno
- Pode ser colocada em onda em algumas situações
- Reduz interferência com o suprimento vascular por evitar contato direto
- Permite acesso excelente para enxertia
- Altera a carga para tensão pura na placa
- Placa deve ser longa para aumentar área de trabalho
- Orifícios da placa podem ser áreas de concentração de estresse
- Placas LC-DCP, PC-Fix e LISS não concentram estresse nos orifícios
- Suporte: carrega carga funcional

Author:  Dublê [ 24/7/2014, 18:46 ]
Post subject:  Re: [KB] Conceitos gerais das fraturas

Flictenas -> http://traumatologiaeortopedia.com/viewtopic.php?p=1002

Pode-se deixar que as bolhas (flictena) desapareçam (10-14 dias), e adia-se o tratamento cirúrgico.
Semelhantes a queimaduras de 2º grau.
Excisão cirúrgica usando técnica estéril e tratamento da base da ferida com curativos diários com pomadaSilvadene(epitélio estável dentro de 5-10 dias)

- Pode ocorrer por edema
- Fluido representa transudato estéril - Resultado de clivagem no plano derme-epiderme

- Giordano et al: sem diferença no resultado das diversas formas de tratamento
- Aspiração - Desbridamento com curativo - Deixar a flictena intacta
- Recomendação: manter flictenas íntegras
- Se ruptura: desbridamento e curativo

- Líquido claro: mais superficial
- Mantém-se claro se derme retiver células da epiderme

- Líquido sanguinolento: mais profundo
- Torna-se sanguinolento se derme completamente sem células da epiderme
- Maior risco de infecção do que se líquido claro

- Complicações infecciosas em incisões por flictenas com sangue
- Deve-se modificar a incisão para evitar áreas de flictenas


Tração transesquelética -> http://traumatologiaeortopedia.com/album_showpage.php?full=&pic_id=729

Pode ser feita no olécrano, calcâneo, tibia e fêmur , mais tradicionalmente, porém com as novas técnicas de fixação, está deixando de ser usada.

*A cutânea é feita sobre pele integra, com pouco peso e curtos períodos.

Author:  rogerio [ 7/9/2015, 09:00 ]
Post subject:  Re: [KB] Conceitos gerais das fraturas

Complicações de fraturas

- TVP: 50% das fraturas de MMII
- Destes: 10%  embolia pulmonar
- Destes: 2% morrerão da embolia

- TVP é assintomática em 70% das embolias
- Tríade de Virchow: lesão endotelial, estase venosa e hipercoagulabilidade

- Quadro clínico:
- dor na perna - eritema - edema - calor local
- dilatação do sistema venoso superficial
- Sinal de Homans:
- dor na panturrilha com dorsiflexão forçada e abrupta do tornozelo com o joelho fletido

- Risco de TVP
- Cirurgia eletiva de quadril e joelho
- Duração e extensão da cirurgia
- Grau e duração da imoblização
- Doenças sistêmicas de base - Politrauma
- Idade > 60 anos
- Anestesia geral
- História familiar - Quimioterapia
- Gestação
- Uso de estrógeno

- TEP
- 50% diagnosticado pós morte
- 90% surge do sistema venoso profundo
- Quadro clínico: inespecífico  necessita avaliação de imagem
- Embolia pulmonar menor: ≥ 1: dispnéia transitória, dor pleurítica, hemoptise

- Embolia pulmonar maior: dispnéia intensa ± sinais de ICC direita
- Hipotensão, síncope, insuficiência circulatória periférica
- Arritmia, febre, ICC de causa desconhecida, confusão mental, broncoespasmo

- Choque
I II III IV
Perda de sangue (%) 15% 20-25% 30-35% > 40%
Volume 750 ml 1.000-1.250 ml 1.500-1800 ml > 2.000 ml
FC < 100 100-120 120-140 > 140
FR 14-20 20-30 30-40 > 35

- Tipo I e II: cristalóides
- Tipo III e IV: cristalóides + sangue

- Cristalóides:
- Adulto: 2 litros EV rápido
- Ringer lactato é preferível por < acidose hiperclorêmica
- Criança: 20 ml/Kg a cada 20 minutos
- Transfusão: hematócrito < 25% ou Hb < 8 g/dl

- Embolia gordurosa
- Maior causa de morbidade e mortalidade por fratura nos politraumatizados (50%)
- Doenças associadas: DM, queimadura, infecção grave, osteomielite, tumor, transfusão

- Quadro clínico: Tríade: hipóxia, petéquias e confusão mental

- Laboratorial
- Gasometria arterial: pO2 < 60 - Trombocitopenia < 150.000
- RX: infiltrado pulmonar em tempestade de neve
- ECG: arritima, inversão da onda T, BRD

- Tratamento:
- suporte ventilatório
- fixação precoce da fratura - reposição volêmica
- manter pO2 > 90 mmHg


 

A página foi atualizada para www.TraumatologiaeOrtopedia.com.br => plataforma mais moderna, com mais interação. Todos os artigos e arquivos foram renovados. Os usuários agora podem:
- Atualizar os artigos;
- Promover seus consultórios;
- Criar grupos privados para sua residência ou liga de medicina;
- Treinar com questões e avaliar sua performance;
- E muito mais, confira, participe e contribua.
Espero que continuem curtindo, do autor: Ortopedista Especialista em Joelho Dr. Márcio Silveira

 

Mapa do Site    FAQ    Crie um site como este

Copyright © 2012 - 2020 TraumatologiaeOrtopedia.com | Desenvolvido em phpBB

: