Traumatologia e Ortopedia

[KB] Síndrome patelar dolorosa

Author:  marcio [ 4/8/2015, 08:43 ]
Post subject:  [KB] Síndrome patelar dolorosa

Categoria: Joelho (4)
Tipo do Texto: Conceito básico

Nome do Texto: Síndrome patelar dolorosa
Author: márcio
Detalhamento: .

Leia o Texto Completo

Author:  marcio [ 4/8/2015, 08:50 ]
Post subject:  Re: [KB] Síndrome patelar dolorosa

 !  Para baixar todos os arquivos e apresentações e visualizar todas as imagens, registre-se e entre, é rápido e grátis.


< Deixe uma observação pertinente clicando no botão resposta ou clique no botão agradecer caso o tópico tenha sido útil. >

Doenças femuropatelares
- Exame clinico
- patela alta: causa mais comum de instabilidade e condromalácia
- ângulo quadricipital (q): pode estar elevado (q normal de 15º)
- patela em baioneta: na flexo-extensão do joelho, a patela faz trajeto similar a baioneta
- falseio: perda súbita do controle muscular do mecanismo extensor
- joelho dobra sob ação da gravidade
- caracteriza luxação patelar mas também ocorre nas lesões menisco ligamentares
- atrofia do quadríceps: relevo do vasto medial na extensão contra-resistência em 30º de flexão
- sinal da apreensão: lateralização passiva da patela em 30º de flexão
- comum ser (+) quando houver luxação recente
- sinal da compressão: joelho em extensão, comprimindo-se a patela  (+) lesão condral
- dor à compressão das bordas patelares: no lado medial em virtude da sinovite
- plica sinovial médio patelar patológica pode ser palpada
- lateralização da patela à extensão ativa: sinal presente nas alterações de excursão patelar por ineficiência de contenção medial
- retração dos isquiotibiais: quadril com flexão de 90º  extensão da perna (normal de 0-20º)

- Exame radiológico da femoropatelar
- RX simples: mais importante (frente, perfil e axiais)
- Projeção axial de Ficat: feita em 30º, 60º, 90º de flexão
- Quanto menor a flexão, maior a sensibilidade para instabilidade
- TC: pode ser útil para avaliar a distancia TAT/GT e medir desvios angulares ou torcionais
- Distância TAT/GT: corresponde à rotação tibial externa
- Medida em milímetros na radiografia axial de patela
- RNM: raramente indicada

- Displasias trocleares
- RX: perfil absoluto
- Pontos principais para reparo
- Linha definida pelo rebordo troclear externo
- Linha definida pelo fundo da garganta troclear
- Linha definida pelo rebordo troclear interno
- Figura ao lado: setas: assoalho da tróclea
- RX de displasia troclear
- Sinais positivos
- Linha I: assoalho da tróclea femoral cruza a linha ventral dos côndilos femorais
- II: proeminência ventral do assoalho troclear
- Classificação de Walch e Dejour
- Dois tipos de tróclea normal (A e B)
- A: Linha do rebordo troclear externo e interno cruzam a da garganta troclear
- B: Linha do rebordo troclear interno cruza proximalmente a linha da garganta troclear
- Três tipos de trócleas displásicas (I  III)
- Classificação de Ficat
- A: Tróclea normal
- B: Hipoplasia da vertente troclear interna - C: Aplasia da vertente interna
- D: Tróclea plana - E: Tróclea convexa

- Alterações da congruência femoropatelar
- Patela alta: causa mais frequente associada à instabilidade e condromalácia da patela
- Avaliação radiológica:
- RX perfil com joelho em flexão de 90º
- borda superior acima do nível da projeção da cortical anterior do fêmur
- Blumensaat
- Patela deve estar entre as projeções da linha epifisária e intercondilar em 45º de flexão

- Variações determinam patela alta e baixa
- Método de Insall: pode ser realizado com 20º - 70º de flexão
- Razão: maior comprimento diagonal da patela = 1 (normal)
comprimento do tendão patelar
- < 0,8: patela alta
- 1: patela baixa
- Blackburne e Peel
- Linha tangencial ao planalto tibial
- Linha tangencial à superfície articular da patela
- Linha da borda inferior da patela à linha tangencial do planalto tibial
- Relação da última linha com a 1ª:
- < 0,8: patela baixa - 0,8: alta

- Patela lateralizada: associada frequentemente com patela alta
- Causas
- principal: luxações ou subluxações com lesão do retináculo medial
- insuficiência da contenção lateral por hipoplasia troclear
- Patela alta e / ou lateralizada: causa importante da síndrome patelar dolorosa ± instabilidade

- Síndrome da faceta adicional (Odd facet)
- Faceta presente em 30% dos joelhos e se articula com a borda lateral do côndilo medial
- Se hipersolicitação do mecanismo extensor > 90º de flexão  fragmentação da cartilagem

- Outras causas de incongruência patelar
- Crista osteocondral de Outerbridge: saliência anômala do rebordo superomedial da tróclea
- Hipoplasia patelar: diminuição da faceta medial em relação à lateral predispõe à instabilidade
- Patela tipo III de Wiberg: causa de instabilidade femoropatelar
- Núcleos de ossificação acessórios: displasia congênita
- Mais comum: patela bipartida
- Situada no polo superolateral da patela
- Hipersolicitação funcional  pode levar a condromalácia patelar
- Pode ser causa de indicação de excisão do fragmento
- Patela magna (rara): pode ser causa de incongruência
- Decorre de alterações degenerativas de duração longa
- Patela se expande lateralmente por causa de pressão anômala
- Osteocondrite dissecante da patela: rara
- Pode ser etiologia de osteoartrite femoropatelar




Síndrome da plica sinovial
- Plica sinovial: dobras da sinóvia normal do joelho que causa dor
- Com traumatismo repetitivo: plica pode hipertroficar e causar dor e sinais de doença intra-articular
- Plica patelar medial: a que mais frequentemente causa sintomas
- Vai do polo superomedial da patela ou do meio da patela até a gordura patelar medial
- Outras plicas: supra-patelar, lateral e infrapatelar
- Quadro clínico:
- Maioria das plicas são assintomáticas
- Queixa mais comum: dor anterior ou anteromedial após corrida
- Queixa de ressalto com o joelho na flexão média e sintomas de falseio
- Exame físico: dolorimento sobre a plica e estalido com flexão entre 30º e 60º com o doente em pé
- Em alguns casos, pode estar associado a instabilidade de patela
- Avaliação radiológica
- RX: normal - Outros exames: sem validade definida
- Diagnóstico: de exclusão
- Tratamento
- Não operatório: maioria dos doentes
- RICE, fortalecimento gradual, especialmente do quadríceps e isquiotibiais
- Evitar extensão máxima se dor for reproduzida
- Cirúrgico: raro
- Indicação: falha no tratamento conservador
- Ressecção artroscópica da plica  resultados excelentes em 90%
- Corte simples da plica associado a recorrência


 

A página foi atualizada para www.TraumatologiaeOrtopedia.com.br => plataforma mais moderna, com mais interação. Todos os artigos e arquivos foram renovados. Os usuários agora podem:
- Atualizar os artigos;
- Promover seus consultórios;
- Criar grupos privados para sua residência ou liga de medicina;
- Treinar com questões e avaliar sua performance;
- E muito mais, confira, participe e contribua.
Espero que continuem curtindo, do autor: Ortopedista Especialista em Joelho Dr. Márcio Silveira

 

Mapa do Site    FAQ    Crie um site como este

Copyright © 2012 - 2020 TraumatologiaeOrtopedia.com | Desenvolvido em phpBB

: